Blog: Conteúdos para liderança e desenvolvimento pessoal

Muitos comunicam, mas, raramente, alguém se faz compreender. Para haver compreensão dos elementos (emissor, receptor, conteúdo e forma), é necessário gerar o entendimento mútuo. A palavra comunicação pressupõe ação comum; se algo ficou comum, significa que foi compreendido pelos envolvidos. Uma forma de verificar se houve ou não compreensão é validar no final da interação, fazendo a seguinte pergunta: "O que você compreendeu desta nossa interação?"
 
Lembre-se: evite a pergunta: "Você entendeu?" As pessoas sempre entendem alguma coisa, mas nada garante que elas entenderam o que você gostaria que elas entendessem. Ao final de cada interação profissional da qual depende algo que precisará ser realizado, valide o entendimento, perguntando: "Só para saber se eu me fiz claro, você poderia repetir o que acabamos de combinar agora?"
 
Perguntar se as pessoas entenderam é bem diferente de perguntar o quê elas entenderam.   


 

Como dizia Peter Drucker:   "Comunicação é percepção." 

Vejamos: Se uma árvore cair na floresta e não houver ninguém para ouvi-la, produz-se som? Não. Produzem-se ondas sonoras, mas não som.

Para haver som, alguém precisa ouvi-lo. O som é criado pela percepção. É o receptor quem cria a comunicação. O indivíduo que emite uma informação não comunica. Ele pode cantar, falar, escrever, desenhar e não comunicar. Tudo o que ele faz é possibilitar.

A comunicação é gerada quando o receptor compreende o que o emissor queria comunicar. Por isso, muitas vezes, o gargalo da comunicação está em não considerar ou não respeitar o alcance de percepção da pessoa ou das pessoas com as quais interagimos.

Assim como o ouvido humano não capta sons acima de determinada frequência, a percepção humana não vai além do que está dentro de seu alcance de percepção. Por isso, a primeira pergunta que precisamos fazer é: “O que necessito comunicar está dentro do alcance de percepção do receptor?"

Pergunte-se: qual...

Please reload